Categories
White Papers

Marcas portuguesas no estrangeiro

Introdução

 

Nas viagens que tenho feito nos últimos anos, é sempre com orgulho que me cruzo com marcas portuguesas como Super Bock, Compal, Esporão, Mateus, Millennium Bim ou Mota Engil. Infelizmente, se exceptuarmos os PALOP, onde as marcas portuguesas têm, em alguns sectores, quotas significativas de mercado, encontrar uma marca portuguesa no estrangeiro é uma enorme excepção.

Internacionalização vs. Exportação

É um problema de qualidade? Evidentemente, não!

De capacidade de investimento? Em alguns casos, sem dúvida. Mas, hoje, é muito mais fácil e barato uma marca portuguesa iniciar o seu processo de internacionalização do que era há 20 anos, sem sequer considerar os incentivos a projectos de internacionalização, desde o QREN ao 20/20.

A verdade é que a maior parte das empresas foca o seu processo de internacionalização na procura de um importador que garanta a importação de quantidades relevantes (e crescentes) e a distribuição do seu produto no mercado. Mede-se o sucesso na internacionalização em contentores e isso não tem nada de mal, a não ser que seja a única métrica de avaliação de sucesso. E quase sempre é.

 

 

Depois do contentor sair, em regra, preocupamo-nos em acompanhar o importador/distribuidor, já que o consideramos especialista no mercado, mas estamos a desperdiçar uma janela que se abriu e que pode garantir a sustentabilidade do seu negócio nesse mercado: o conhecimento.

Raramente as empresas vão para além do insight que o distribuidor tem do seu mercado e quase nunca este corresponde ao que as marcas deveriam saber do mercado.

E que informação é esta?

  • Onde é vendida a sua marca?
    Não me refiro à lista de retalhistas que você, com certeza, já visitou, mas sim ao Ponto de Venda onde é feito o contacto entre o consumidor e o seu produto.
  • Quantos são os pontos de venda activos? E que percentagem representam estes do potencial do mercado?
  • Quem compra o seu produto? Quem é o consumidor final?
  • Quem é a sua concorrência e como está o seu produto posicionado na mente do cliente (Ponto de Venda) e do consumidor?
  • A que preço é vendido e como o comparamos com a concorrência?
  • Qual é a visibilidade da sua marca nos Pontos de Venda?
  • Como são trabalhadas as promoções e que impacto têm nos Pontos de Venda e nos consumidores?
  • Como caracteriza a experiência de compra?

Este conhecimento só se garante com o apoio e acompanhamento operacional diário de quem conhece e trabalha em exclusividade a sua marca.

E muito caro? Não necessariamente.

Será mais caro se desenvolver este processo internamente, mas também aqui teremos de ser ousados e procurar metodologias inovadoras.

 

Foco no conhecimento

O que fazer com esta informação?

 

Não menos importante é o que fazer com esta informação.

O sucesso da sua marca além-fronteiras passa também por ter uma estrutura preparada, para saber analisá-la e agir com rapidez. Não basta ter uma equipa comercial que abra portas e defina políticas comerciais – tem de ter marketeers que conheçam a marca e saibam definir e garantir a implementação das experiências que esta deve oferecer.

Se bem utilizada, esta informação fará a diferença entre um mercado de exportação bem ou mal sucedido, a médio/longo prazo.

Mais do que isso, é uma forma de ganhar uma enorme vantagem competitiva face à sua concorrência (local ou estrangeira).

 

Bernardo Alegra
International Business Manager

 

Quer saber mais?
Contacte-nos!

Categories
White Papers

Colômbia – Oportunidades de Mercado

Introdução

 

A Colômbia é o terceiro país mais populoso da América Latina, com mais de 48 milhões de pessoas, e posiciona-se como a 31.ª economia do mundo.

Entre 2010 e 2014. o país atingiu um crescimento económico superior a 4%/ano. Em 2015, face à desaceleração económica mundial, esse crescimento foi um pouco menor, a atingir os 3,1%.

Para 2016, a expectativa é de que o PIB cresça 2,3%, seguido de um crescimento anual de cerca de 3,5%, entre 2017 e 2020.

Raio X

República da Colômbia

População: 48.747.632 pessoas
Moeda: Peso Colombiano (COP)
Ordenado  mínimo nacional: $ 515.000,00 (157,29 EUR)*
Taxa de desemprego: 9% (Setembro 2016)
Taxa de inflacção: 7,27% (Setembro 2016)
Produto Interno Bruto (2015): US$ 292 mil milhões
Balança Comercial (2015): US$ 7,5 mil milhões (déficit)

Principais parceiros económicos: Estados Unidos da América, União Europeia, China, México, Brasil e Equador
Grau de confiança do empresário: 7,9 (Outubro 2016)
Grau de confiança do consumidor: -6,6 (Outubro 2016)

Principais sectores industriais: têxtil, alimentos transformados, calçado, ouro, esmeralda, carvão, petróleo, produtos químicos
Principais sectores importados: máquinas, bens de consumo duráveis, derivados e petróleo e produtos quimicos

Fontes: AICEP, Banco Mundial, tradingeconomics.com
*câmbio ao dia 06.10.2016

Cosmética

Colômbia: Uma porta de entrada para a América Latina

 

O sector da cosmética na Colômbia tem-se apresentado cada vez maior e inovador. Apesar do grande número de empresas nacionais, os produtos importados continuam a ser muito procurados e valorizados pelos colombianos.

A Colômbia é um grande exportador de cosméticos para todos os países da América Latina, sendo também uma porta de entrada para as empresas de outros continentes entrarem nesses países.

Saiba mais:

Colombia, el país que maquilla a las mujeres de la región – in Portafolio, 20.08.2016

Infraestrutura

Investimento de até 75 mil milhões de Euros

O governo colombiano planeia investir até 75 mil milhões em infraestrutura no país.

Este investimento inclui, principalmente, o sector do transporte, comunicação e construção em geral.

Saiba mais:
Portugal atraído pelo jackpot do investimento público colombiano – in Expresso, 20.08.2016

Saúde

Sistema de saúde colombiano é um dos mais inclusivos da América Latina

 

A Colômbia é um destino de turismo de saúde, que conta com um número cada vez mais crescente de pacientes norte-americanos. Possui algumas das melhores clínicas da América Latina e o sistema social de saúde é considerado de grande qualidade.

Produtos como software, medicamentos genéricos, consumíveis hospitalares e dispositivos médicos são uma oportunidade para quem deseja entrar no mercado colombiano.

 

Saiba mais:

Hospital da Colômbia moderniza centro médico – in Decision Report, 17.10.2009

 

Alimentação e bebida

Oportunidades numa economia com o consumo privado em crescimento

 

O consumo privado na Colômbia tem vindo a crescer, ano após ano, fazendo com que o país faça um esforço para se reindustrializar e, ao mesmo tempo, abrir o mercado para a importação.

Peixes, azeites, vinho, queijos e enchidos são produtos que apresentam oportunidades em determinados nichos de mercado.

 

Saiba mais:

Carne de porco portuguesa chega à Colômbia – in Público, 13.07.2016

 

Deseja internacionalizar o seu negócio para a Colômbia?

Fale connosco!